17 de fev de 2015

ÁGUA MOLE EM PEDRA DURA


João Gallup faz todo dia tudo igual. Faça chuva ou faça sol, religiosamente, tão certo quanto seu hábito de decorar os chavões e usá-los a torto e a direito, lê o jornal de cabo a rabo. Veio o Carnaval, veio a Quarta de Cinzas e, depois de uma longa noite de sono, ah, esse sono com os anjinhos, João abriu a porta e a manchete quase saltou do papel: "Racionamento de água e luz tem apoio da maioria". Não pode ser! Fanático por pesquisas, atento ao que vai antes e depois da vírgula, foi checar a porcentagem. Sessenta por cento - 60! - são a favor do racionamento de água na grande São Paulo. João, que, faltou dizer, sempre foi um Maria vai com as outras, eternamente alinhado com a maioria, não teve dúvidas e decretou: a partir daquela manhã faria tudo para estar com os 60%. Fizesse chuva, que não fazia, ou fizesse sol, buscaria chegar lá aonde os outros chegaram.

João, então, começou a fazer o que seria necessário para que o rodízio de água invadisse com secura sua casa, ainda naquele dia. O banho, outrora realizado em três minutos, levou longos vinte. A escovação de dentes, outra que não passava de 180 segundos, demorou mais 180 a terminar. Para lavar a louça do café da manhã, mais de quinze minutos de água escorrendo, gota após gota, sem nenhuma interrupção. Fez questão de assistir ao noticiário matinal - alienação por lá passa longe - enquanto deixava a panela enchendo, já que depois ele cozinharia o almoço. Ops! Transbordou. Mas não faz mal.

Enquanto lia uma obra de um poeta latino, instrumento para aumentar seu vasto repertório intelectual, lembrou de um ditado proveniente dessa mesma cultura. Sim, aquele ditado, como é mesmo? Ah, é claro! "Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura". Animado, João encheu outra panela e lá ficou, por horas e horas, a derramar água.

À tarde, tocou o interfone. Era o porteiro. Havia chegado uma carta da SABESP. O conteúdo - que surpresa! -, dizia respeito ao racionamento de água. Cinco dias sem, dois dias com - sempre em datas alternadas. Pronto! João Gallup conseguiu, estava mais uma vez com a maioria. Vai, João, vai com os outros.

Horas depois, mais à noite, havia chegado outro momento importante em sua vida. Depois de meses de xaveco, João havia combinado de sair - pela primeira vez - com a sua amada. Jantar no Le Jazz, dinheiro guardado para fazer as honras, roupa escolhida. Mas a água tinha acabado. Agora sim, João Gallup cabia dentro das pesquisas.

0 comentários: